Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de março de 2011

Alckmin inaugura ponte (em sua região natal)

Leio no site do Jornal Regional do Vale do Paraíba e Sul de Minas (disponível em: http://www.jornalregional.net/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=737), que o governador Geraldo Alckmin inaugurou, às vésperas do carnaval, a prometida terceira ponte de transposição do Rio Paraíba do Sul, na cidade de Cruzeiro.
Nutro especial interesse pelas coisas do Vale, pois minha avó materna era de Pindamonhangaba, mesma cidade natal do governador. Lá passei boa parte de minhas férias, durante a infância, e até hoje frequento a região, em visita a parentes e amigos.
Mas não posso deixar de comentar que a notícia é de matar de inveja a população da Baixada, especialmente de Santos e Guarujá, cidades que o então governador José Serra prometeu ligar, por meio de uma mirabolante ponte, na última campanha eleitoral.
O episódio, já fartamente desmascarado e ridicularizado, contou até com a canhestra inauguração de uma maquete da ponte, sabiamente ironizada pelo presidente Lula.
Mas o assunto volta e meia volta à tona, no noticiário local. Desta vez, conforme  publicado em A Tribuna, antes do carnaval, um grupo de profissionais, que não sei ao certo identificar, propõe a retomada do projeto de um túnel, alternativa que pessoalmente me agrada.
Mas acho que (perdoem-me o trocadilho) o buraco é mais embaixo. A discussão da ligação seca entre as duas cidades deve passar por uma avaliação realista de seus impactos, sobretudo sobre a infraestrutura urbana de Guarujá e sobre o uso e ocupação do solo de ambas as cidades. 
Lamentavelmente, estes aspectos vêm sendo sistematicamente negligenciados em todas as discussões que acompanhei sobre o tema. De fato, um dos maiores problemas urbanos do Brasil é que o planejamento não é levado a sério. Desta forma, pontes e túneis passam a ser apenas alternativas de engenharia e de logística. E que se dane a vida de quem mora nos dois lados da ligação. Parece que o que importa sempre são os fluxos, nunca os fixos. Evoé Milton Santos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário