Pesquisar este blog

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Qual o túnel prioritário?

Apresentada a "nova" proposta para ligação seca entre Santos e Guarujá, pelo governador do estado, com grande repercussão nos principais órgãos locais de imprensa, fico a perguntar, por qual razão o túnel de ligação entre as zonas leste e noroeste de Santos não merece igual ou maior espaço em nossa mídia e na agenda das autoridades responsáveis?
A importância desta ligação, creio eu, é maior do que a construção do túnel entre Santos e Guarujá. Defendo esta posição, pois se trata de uma ligação estratégica, que além de integrar definitivamente a área insular do município, criaria nova alternativa para ligar o centro e a orla de Santos com São Vicente, inclusive sua área continental.
Segundo dados do Censo 2000, tratados pelo Núcleo de Estudos da População (NEPO) da Unicamp, até 35 mil vicentinos viajavam diariamente a Santos, por motivos de trabalho, estudo ou a procura de serviços (ver gráfico acima). Por outro lado, este mesmo movimento pendular, entre Guarujá e Santos, não passava de 15 mil pessoas.
É evidente que poderemos ter mudanças nesses números no Censo 2010. Contudo, nada nos autoriza a afirmar que a proporção entre as viagens diárias São Vicente/Santos e Guarujá/Santos vai se alterar. Aposto que a proporção até crescerá a favor das primeiras.
Não estou aqui defendendo que se esqueça a ligação entra Santos e Guarujá. Apenas questiono a razão pela qual as prefeituras de Santos e de São Vicente não priorizam o túnel sob o maciço central da ilha, que desafogaria as congestionadas ligações pela orla e pelo centro, sem contar a ligação pelo morro, cujo carregamento tende a se agravar em breve, com a implantação de um condomínio vertical no meio do caminho.
Suspeito que a resposta para minha questão esteja no campo da política e não no campo da técnica. Como se sabe, as classes dominantes são muito hábeis ao impor suas agendas políticas. Normalmente contam com irrestrito apoio da imprensa, como é o caso da ligação entre Santos e Guarujá.
Para mim está escancarado que o grande interesse pela ligação reside nas oportunidades que se abrirão para a elite santista, quanto à possibilidade de fixar residência na orla de Guarujá e continuar trabalhando em Santos.
Esta possibilidade certamente impulsionará grandes e lucrativos negócios imobiliários o que faz do projeto de ligação seca entre as ilhas, uma possibilidade muito interessante para o setor. Creio que aí reside tamanho interesse no assunto, em detrimento da ligação pelo maciço central da ilha de São Vicente, que seguramente serviria a uma classe social não tão influente, embora muito mais numerosa.
Portanto, proponho que se abra esta discussão em ambas as cidades, pois creio ser estratégico garantir, também, recursos para o túnel entre Marapé e Vila São Jorge.

2 comentários:

  1. Nos horários de pico, o transito da Zona Noroeste para o Centro / Zona Leste (e vice versa para o final da tarde) é insuportável, não somente pelo transito de veículos e motos da Zona Noroeste e de São Vicente para essas regiões, como também a enorme quantidade de caninhões na Avenida Nossa Senhora de Fátima.

    ResponderExcluir
  2. Olá José Marques Carriço, participei com você de uma audiência pública sobre o VLT na Câmara Municipal de Santos. Ambos falamos da tribuna naquela ocasião.

    Se você é a pessoa mais articulada do PT na região, por que seu nome não é considerado para a disputa da eleição municipal? Gosto muito da Telma de Souza, mas você pode ter melhores chances de debater esses assuntos sendo um arquiteto atuante na região, sem a rejeição e o estereótipo que já está definitivamente atrelado ao ideário dos reaças de Santos.

    ResponderExcluir