Pesquisar este blog

terça-feira, 13 de março de 2012

Caso Transbrasa: quando a criatividade não tem limites

Acerca da permanência da empresa Transbrasa em área da União, no bairro Jabaquara, em Santos, já comentada aqui em vários posts (saiba mais), leio hoje matéria (acima) publicada em A Tribuna, que demonstra a imensa criatividade de agentes públicos, quando se trata de garantir interesses privados, em detrimento da segurança de trânsito e do sossego público.
Segundo informado na matéria, Prefeitura e Codesp se reuniram e decidiram que a "renovação" do arrendamento da área em favor da empresa citada, por mais dez anos, ocorreria só mais esta vez. Então tá: todos podemos ficar tranquilos, porque daqui a uma década não haverá o menor risco de continuarmos a conviver com carretas e contêineres infernizando a vida nesta cidade, como acontece desde 1981, quando algum "gênio" da Codesp autorizou a empresa a se instalar naquele bairro.
Mas o ápice da criatividade é o argumento legal utilizado para lastrear a "renovação" do arrendamento. Segundo a mesma fonte, a lei municipal de uso e ocupação do solo impede a instalação de pátio de transportadoras no local, desde 1998, o que é verdade. E ainda, esta mesma lei não fere direitos adquiridos, garantindo que as empresas já instaladas antes da norma vigorar possam permanecer operando. Portanto, se outra empresa do ramo tentasse se instalar no local, a Prefeitura teria que negar-lhe o alvará. Tudo verdade, também.
Assim, usando de uma incrível criatividade, a ANTAQ entendeu que a área não poderia ser licitada, uma vez que outras empresas não poderiam operar na gleba. Naturalmente, a agência nem cogitou que a área pertencente à União pudesse ter outro uso, compatível com o bairro, como habitação de interesse social, previsto em projeto de lei de autoria do Prefeito, em tramitação na Câmara, que altera o zoneamento do local.
É realmente inesgotável o poder que o ser humano tem de dar nó em pingo d'água.

6 comentários:

  1. ....... AMIGO ESTA EMPRESA JÁ ESTA INSTALADA LÁ A MAIS DE 30 ANOS, ANTES MESMO DO DO BAIRRO EVOLUIR E EMPREGA HOJE TEM MAIS DE 300 FUNCIONÁRIOS DIRETOS E 150 CONTRATADOS VEJA POR ESSE LADO QUANTAS FAMILIAS DEPENDE DA TRANSBRASA E POR OUTRO LADO ELA SEMPRE COLABORA COM A CIDADE EM ALGUNS EVENTOS ATE MESMO CAMPEONATOS .. COM CERTEZA VC VAI TER QUE CONVIVER COM O TRANSITO DE CAMINHOES PORQUE VOCE MORA NO MAIR PORTO DA AMÉRICA LATINA QUE MOVIMENTA MILHOES DE CARGA ........ PENSE NISSO ????

    ResponderExcluir
  2. .... não parece ser santista porque o porto de santos é mais antigo do que vc , e ja deveria estar mais que acustumado com o transito de caminhoes na cidade se vc quer tranquilidade vai morar em um sitio ???

    ResponderExcluir
  3. Caro (ou caros) anônimo(s), não apenas sou santista, como informado no texto de abertura do Blog, como dou a cara pra bater. Não me escondo atrás do anonimato para defender ideias.
    Os argumentos da idade do porto e da geração de empregos são muito questionáveis.
    Mas cabe primeiro destacar que não defendo a extinção da empresa. Apenas entendo que ela deve se instalar como tantas outras, que não dependem das benesses do Estado.
    Ela que adquira ou alugue outra área, desde que seja distante da área residencial e não coloque a vida de motoristas e pedestres em risco, com suas carretas e containeres. Certamente nosso porto não diminuirá por causa disso.
    Mas se a questão é antiguidade, lembro que quando esta empresa lá se instalou, as residências da Joaquim Távora e do Jabaquara há muito existiam. Além disso, o trânsito era muito menor, no eixo viário do túnel, um dos mais importantes da cidade.
    E quanto à questão dos empregos, sugiro que você(s) faça(m) as contas: quantos empregos poderiam ser gerados se esta área fosse destinada a residências para população de baixa renda, com núcleo comercial para sustentabilidade das famílias? Quantos pequenos empreendimentos abririam em volta para atender as famílias?
    Mas acima de tudo, penso que a vida e o sossego das pessoas é muito mais importante do que empregos. Nenhum empresário tem o direito de colocar a vida dos outros em risco para manter seu negócio funcionando. O trânsito de carretas há muito é incompatível com a área em que a Transbrasa está instalada. Só não percebe isto, quem só olha para o próprio umbigo.

    ResponderExcluir
  4. Anonimos agresssivos nao?Vem pra luz fazer o debate.Se quer defender a empresa o faça,sem problema!A cidade é feita de varios pontos de vista.Este é o seu.O meu é igual o do autor do blog.Chega dessa empresa em area residencial,causando transtorno na cidade.Vá para o Porto,porque nao?
    Cassandra

    ResponderExcluir
  5. ISTO É UMA VERGONHA O BAIRRO PRECISANDO DE TANTO INVESTIMENTO, TAIS COMO HABITAÇÃO PARA FAMÍLIAS BAIXA RENDA, REDE DE ENSINO QUE NÃO TEM NO BAIRRO, CRECHE , ÁREA ESPORTIVA E LAZER PARA COMUNIDADE,

    POR QUESTÃO DE "CONCHAVOS" A POPULAÇÃO PERDE ESPAÇO PARA INTERESSES PRIVADOS POLÍTICOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É,verdade,se falta tudo isso no bairro,inclusive famílias com crianças,se querem que tenha mais escolas,creche,áreas de lazer,etc,mais um motivo para essa empresa sair de lá e se alojar no lugar devido a empresas desse porte,a zona portuária.Quando ela se instalou ali,o trânsito não era caótico como hoje,está mais do que na hora dela mudar de lugar e deixar o terreno,para quem sabe a prefeitura adquirir e construir melhorias para a população do local.A população está perdendo espaço é com essa empresa ocupando uma área e colocando a própria população em risco eminente e atravancando ainda mais o trânsito.Ninguém vai perder emprego só porque a empresa mudou de endereço,muito pelo contrário,se ela for colocada numa área maior e portuária,pode até ampliar sua função e consequentemente o quadro de funcionários.Aprendam a pensar no coletivo,ignorância não nos leva a nada,vivemos em sociedade,e,individualismo é o mal do século.

      Excluir