Pesquisar este blog

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

As desapropriações do ramal Conselheiro Nébias-Valongo do VLT




As imagens acima fazem parte dos desenhos do Projeto Básico SIM, trecho Conselheiro Nébias-Valongo, do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), em Santos.
Os desenhos foram elaborados pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), conforme já comentei no post "As desapropriações do VLT", de 6/9.
A primeira imagem é parte do trecho da Avenida Conselheiro Nébias, nas proximidades do campus Dom Idílio, da Unisantos, na Vila Mathias. Nela pode se observar, destacado em azul, um imóvel a ser desapropriado, cuja foto apresento abaixo. Trata-se de terreno sem numeração visível, situado imediatamente antes do número 347 do referido logradouro. Desconheço a razão desta desapropriação.
A segunda imagem, apresenta o trecho em que o VLT, subindo a Avenida Conselheiro Nébias, faria a conversão à esquerda, na Rua General Câmara e na volta, entraria naquela avenida, convergindo à direita, na esquina com a Rua Amador Bueno.
Neste trecho seriam desapropriados três imóveis, cujas fotos coloco abaixo, correspondendo o número 1 às duas primeiras fotos, referentes ao imóvel de número 324 da Rua General Câmara e possivelmente imóveis vizinhos, ainda que apenas parcialmente, como o ginásio do Sindicato dos Despachantes Aduaneiros de Santos, situado no número 310 desta via.
O número 2 corresponde à terceira foto, referente a imóvel de uma transportadora, situado na Avenida João Pessoa, na esquina com a Avenida Conselheiro Nébias.
O número 3, cujas fotos são as duas últimas desta sequência, refere-se a imóvel situado na esquina da mesma avenida com a Rua Amador Bueno e o imóvel vizinho, onde funciona a empresa Extecil, do ramo de salvatagem.
Os imóveis de números 1 e 3 seriam desapropriados para que o VLT faça a curva, em função do seu comprimento.



Em seguida apresento fotos dos imóveis que seriam desapropriados, na região do Valongo, conforme a terceira imagem do projeto. As duas primeiras fotos, correspondentes ao número 1, são dos cerca de 14 imóveis situados na testada de quadra da Rua Marquês do Herval, desde a esquina com a Rua São Bento, até a Rua Caiubi. A primeira foto mostra o imóvel da primeira esquina, de número 14 da Rua São Bento, e o vizinho à esquerda, que também seria desapropriado.
O imóvel de número 2, deste trecho, é um terreno sem construção, que fica na esquina oposta da Rua Marquês do Herval, ao lado do pátio fronteiriço da Igreja do Valongo.
Estes imóveis seriam desapropriados, para permitir a construção da estação junto à sede da Petrobras, e também para que o VLT faça a curva, em função do seu comprimento. Portanto, é preciso ficar claro se as vibrações do VLT não trarão prejuízos ao santuário e demais edifícios protegidos do entorno.
O último imóvel desta sequência é um estacionamento na Rua Visconde do Embaré, em frente à Rodoviária e ao Terminal Municipal de Ônibus. O imóvel não tem numeração visível, mas possivelmente é o 34 da via. Desconheço a razão desta desapropriação.


No próximo post sobre o assunto, vou mencionar mais um caso, deste trecho do VLT, que inspira cuidados, com relação a vibrações e patrimônio arquitetônico.
Por ora é só, mas fico impressionado com a falta de discussão franca e democrática na cidade sobre este trajeto, afinal ele envolve impactos urbanos relevantes e mexe com a vida de muita gente.
Isto sem contar a já mencionada (ver post de 6/9) questão dos recursos potencialmente desperdiçados, devido à possível mudança da linha do bonde na Rua do Comércio e na Praça José Bonifácio, além da implantação dos trilhos do VLT na recém urbanizada Rua Amador Bueno.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Históricos seriam se estivessem recuperados e sendo de utilidade publica, da forma que estão, são apenas cortiços degradando ainda mais o centro

      Excluir
  2. Discutir VLT é ocioso, por estúpido o projeto e pela impossibilidade política, econômica e financeira. Há outros e melhores meios de solucionar a problemática da mobilização de massa na Baixada, o problema é a boa-vontade e a incapacidade de buscá-los fora do quadrado.

    ResponderExcluir