Pesquisar este blog

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

O assoreamento do canal do Rio Lenheiros


As fotos acima foram feitas na manhã de hoje, em vistoria ao bairro do Saboó, em Santos. São imagens do canal do Rio Lenheiros, que recebe contribuição do morro do Saboó e percorre um trecho de planície com muitas interferências. Este canal não possui revestimento e sua seção é variável.
No trecho inicial, conforme imagem abaixo, o canal contorna os fundos do Conjunto Habitacional Athiê Jorge Cury e faz um cotovelo de 90°, seguindo em direção à Avenida Martins Fontes, principal via de acesso à cidade. Antes de chegar a esta avenida, o canal faz uma curva acentuada à esquerda e segue junto à divisa com o Conjunto Habitacional Mário Covas.
Depois o canal passa sob a Avenida Martins Fontes e sob a ferrovia (antiga RFFSA). A partir deste ponto o canal atravessa a antiga gleba da RFFSA, e a Avenida Engenheiro Augusto Barata (Retão da Alamoa), em área com vegetação e grande capacidade de drenagem.
A foz do Rio, onde a calha se amplia, também possui muita vegetação, mas está confinada entre o novo empreendimento da BTP e os terminais portuários do Saboó.
Neste trecho final, os pontos de estrangulamento do curso d'água são os pontilhões das duas avenidas e da ferrovia.
Quando chove forte toda esta bacia costuma encher com rapidez, em função destes estrangulamentos a jusante, do assoreamento a montante e da insuficiência dos sistemas de macro e microdrenagem. Este processo, que provoca sérios transtornos e prejuízos para grande parte da população, que entra e sai de Santos por este caminho ou se dirige à Zona Noroeste, é bastante agravado quando a maré está alta.
A construção de uma galeria paralela à Avenida Martins Fontes e outras instalações complementares estão prometidas há tempos para melhorar a drenagem desta área, no âmbito do Programa Santos Novos Tempos.
Mas como se sabe, este programa tem uma velocidade de implantação muito inferior à necessária. Por isto, seria de grande importância que a Prefeitura mantivesse limpo e dragado o canal, preservando sua capacidade de reservação e minimizando os transtornos de milhares de pessoas, nos dias de chuva.
Além disso, é importante que a contribuição pela descarga irregular de esgotos neste corpo d'água seja eliminada, seja pela melhoria da rede do morro do Saboó, seja pela urbanização da Vila Pantanal, favela situada na bacia do referido rio.
É pedir demais?

Nenhum comentário:

Postar um comentário